quinta-feira, 12 de Maio de 2011

CATECISMO DE SUA SANTIDADE, O PAPA SÃO PIO X

INTRODUÇÃO

Persignar-se


Pelo sinal † da santa cruz, livrai-nos, Deus † Nosso Senhor, dos nossos † inimigos. Em nome do Pai †, e do Filho † e do Espírito Santo †. Amém.

Per signun † crucis, de inimicis nostris libera-nos Deus † noster. In nonime Patris † et Fílio † et Spiritu Sancto. Amen

Credo

Creio em Deus Pai Todo-Poderoso, criador do céu e da terra. E em Jesus Cristo, seu único Filho Nosso Senhor, o qual foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu de Maria Virgem, padeceu sob Pôncio Pilatus, foi crucificado, morto e sepultado, desceu aos infernos, ao terceiro dia ressurgiu dos mortos, subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, de onde há de vir a julgar os vivos e mortos. Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na ressurreição da carne, na vida eterna. Amém.

Credo in Deum Patrem omnipotentem, Creatorem caeli et terrae.Et in Iesum Christum, Filium eius unicum, Dominum nostrum, qui conceptus est de Spiritu Sancto, natus ex Maria Virgine, passus sub Pontio Pilato, crucifixus, mortuus, et sepultus, descendit ad infernos, tertia die resurrexit a mortuis, ascendit ad caelos, sedet ad dexteram Dei Patris omnipotentis, inde venturus est iudicare vivos et mortuos. Credo in Spiritum Sanctum, sanctam Ecclesiam catholicam, sanctorum communionem, remissionem peccatorum, carnis resurrectionem, vitam aeternam. Amen.

Ave-Maria

Ave, Maria, Cheia de graça, o Senhor é convosco; bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. R/. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora da nossa morte. Amém.

Ave, María, grátia plena: Dóminus tecum: benedícta tu in muliéribus, et benedictus fructus ventris tui Jesus. R/. Sancta María, Mater Dei, ora pro nobis peccatóribus, nunc et in hora mortis nostrae. Amen

Salve Rainha

Salve, Rainha, Mãe de misericórdia, vida, doçura e esperança nossa, salve! A vós bradamos, os degredados filhos de Eva; a vós suspiramos, gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois advoga-da nossa, esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei; e depois deste desterro nos mostrai Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó clemente, ó piedosa, ó doce sempre Virgem Maria. V/. Rogai por nós, santa Mãe de Deus, R/. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Salve, Regina, Mater misericordiae, vita, dulcédo et spes nostra, salve. Ad te clamamus, éxsules fiIii Evae. Ad te uspirámus geméntes et flentes in hac lacrimárum valle. Eia ergo, advocáta nostra, illos tuos misericórdes óculos ad nos convérte. Et Jesum benedíctum fructun Ventris tui, nobis, post hoc exsílium, osténde. O clemens, o pia, o dulcis Virgo María! V/. Ora pro nobis, sancta Dei Génitrix. R/. Ut digni efficiámur promissiónibus Christi.

Glória

V/. Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo.
R/. Assim como era no princípio, agora e sempre, por todos os séculos dos séculos. Amém.

V/. Glória Patri, et Fílio, et Spíritui Sancto.
R/. Sicut erat in pricípio, et nunc, et semper, et in saécula saeculórum. Amen.

Ato de Contrição

Meu Senhor Jesus Cristo, Deus e homem verdadeiro, Criador, Pai e Redentor meu. Por ser vós quem sois e porque vos amo sobre todas as coisas, pesa-me de todo o meu coração de vos ter ofendido, proponho firmemente a emenda de minha vida para nunca mais pecar, apartar-me de todas ocasiões de ofender-vos, confessar-me e cumprir a penitência que me foi imposta. Vos ofereço, Senhor minha vida, obras, e trabalhos em satisfação de todos os meus pecados e assim como vos suplico, assim confio em vossa bondade e misericórdia infinitas que mos perdoareis pelos méritos de vosso preciosíssimo sangue,paixão e morte e me dareis graça para emendar-me e perseverar em vosso santo serviço até o fim de minha vida. Amém.

Mandamentos da lei de Deus

Os mandamentos da lei de Deus são dez: os três primeiros pertencem à honra de Deus e os outros sete ao proveito do próximo.
1 - Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas.
2 - Não invocar o Santo Nome de Deus em vão.
3 - Santificar os Domingos e Festas de guarda.
4 - Honrar pai e mãe.
5 - Não matar (nem causar dano, no corpo e na alma, a si mesmo e ao próximo).
6 - Guardar castidade nas palavras e nas obras.
7 - Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os objectos do próximo).
8 - Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer modo faltar à verdade ou difamar o próximo).
9 - Guardar castidade nos pensamentos e nos desejos.
10 - Não cobiçar as coisas alheias.
Estes dez mandamentos se encerram em dois: Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos


Mandamentos da Igreja

Os mandamentos da Igreja são cinco:

1- Ouvir Missa inteira nos domingos e festas de guarda.
2- Confessar-se ao menos lima vez cada ano.
3- Comungar ao menos pela Páscoa da Ressurreição.
4- Jejuar e abster-se de carne, quando manda a Santa Madre Igreja.
5- Pagar dízimos, segundo o costume

Sacramentos

Os sacramentos instituídos por Jesus Cristo são sete:

1- Batismo.
2- Confirmação.
3- Eucaristia.
4- Penitência ou Confissão.
5- Extrema Unção.
6- Ordem.
7- Matrimônio

Lição Preliminar - Da Doutrina Cristã e Suas Partes Principais

“Em seguida Barnabé foi para Tarso, à procura de Saulo. Encontrou-o e o levou para Antioquia. Durante um ano estiveram juntos naquela igreja e instruíram muita gente. Foi em Antioquia que, pela primeira vez, os discípulos foram chamados cristãos".
At 11, 25-26.


Sois cristão?
Sim, sou cristão pela graça de Deus.

Por que dizeis pela graça de Deus?
Digo: pela graça de Deus, porque o ser cristão é um dom de Deus, inteiramente gratuito, que nós não podemos merecer.

E quem é verdadeiro cristão?
Verdadeiro cristão é aquele que é batizado, crê e professa a doutrina cristã e obedece aos legítimos Pastores da Igreja.

Que é a Doutrina Cristã?
A Doutrina Cristã é a doutrina que Jesus Cristo Nosso Senhor nos ensinou, para nos mostrar o caminho da salvação.

É necessário aprender a doutrina ensinada por Jesus Cristo?
Certamente, é necessário aprender a doutrina ensinada por Jesus Cristo, e cometem falta grave aqueles que se descuidam de o fazer.

Os pais e patrões estão obrigados a mandar ao catecismo os seus filhos e dependentes?
Os pais e patrões são obrigados a procurar que seus filhos e dependentes aprendam a Doutrina Cristã; e são culpados diante de Deus, se desprezarem esta obrigação.

De quem devemos nós receber e aprender a Dou trina Cristã?
Devemos receber e aprender a Doutrina Cristã da Santa Igreja Católica.

Como é que temos a certeza de que a Doutrina Cristã, que recebemos da Santa Igreja Católica, é verdadeira?
Temos a certeza de que a Doutrina Cristã, que recebemos da Igreja Católica, é verdadeira, porque Jesus Cristo, autor divino desta doutrina, a confiou por meio aos seus A - póstolos à Igreja Católica, por Ele fundada e constituída Mestra infalível de todos os homens, prometendo-Lhe a sua divina assistência até à consumação dos séculos.

Há mais provas da verdade da Doutrina Cristã?
A verdade da Doutrina Cristã é demonstrada ainda pela santidade eminente de tantos que a professaram e professam, pela heróica fortaleza dos mártires, pela sua rápida e admi rável propagação no mundo, e pela sua plena conservação através de tantos sécu los de muitas e contínuas lutas.

Quantas e quais são as partes principais e mais necessárias da Doutrina Cristã?
As partes principais e mais necessárias da Doutrina Cristã são quatro: o Credo, o Padre-Nosso, os Mandamentos e os Sacramentos.

Que nos ensina o Credo?
O Credo ensina-nos os principais artigos da nossa santa Fé.

Que nos ensina o Padre-Nosso?
O Padre-Nosso ensina-nos tudo o que devemos esperar de Deus, e tudo o que Lhe devemos pedir.

Que nos ensinam os Mandamentos?
Os Mandamentos ensinam-nos tudo o que devemos fazer para agradar a Deus; em resumo, amar a Deus sobre todas as coisas, e amar ao próximo como a nós mesmos, por amor de Deus.

Que nos ensina a doutrina dos Sacramentos?
A doutrina dos Sacramentos faz-nos conhecer a natureza e o bom uso desses meios que Jesus Cristo instituiu Para nos perdoar os pecados, comunicar-nos a sua graça, e infundir e aumentar em nós as virtudes da fé, da esperança e da caridade.

Primeira Parte
Do Símbolo dos Apóstolos, Chamado Vulgarmente o Credo


“A fé é o fundamento do que se espera e a convicção das realidades que não se vêem. Foi a fé que fez a glória dos antigos. Pela fé sabemos que o universo foi criado pela palavra de Deus, de sorte que do invisível teve origem o visível. Pela fé Abel ofereceu a Deus sacrifício melhor do que Caim e por ela foi declarado justo, tendo Deus aprovado as suas oferendas, e é pela fé que depois de morto Abel continua a falar". Epístola aos hebreus 4, 1-4


CAPÍTULO I
Do Credo em geral


Qual é a primeira parte da Doutrina Cristã?
A primeira parte da Doutrina Cristã é o Símbolo dos Apóstolos, chamado vulgarmente Credo.

Por que chamamos ao Credo Símbolo dos Apóstolos?
O Credo chama-se Símbolo dos Apóstolos, porque é um compêndio das verdades da Fé, ensinadas pelos Apóstolos.

Quantos artigos tem o Credo?
O Credo tem treze artigos.

Dizei-os.
1- Creio em Deus Padre, todo-poderoso, Criador do céu e da terra.
2- E em Jesus Cristo, um só seu Filho, Nosso Senhor.
3- O qual foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu de Maria Virgem.
4- Padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado.
5- Desceu aos infernos, ao terceiro dia ressurgiu doi mortos.
6- Subiu ao Céu, está sentado à direita de Deus Padre todo-poderoso.
7- De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
8- Creio no Espírito Santo.
9- Na Santa Igreja Católica.
10- Na comunhão dos Santos.
11- Na remissão dos pecados.
12 -Na ressurreição da carne.
13- Na vida eterna. Amém

Que quer dizer a palavra Credo, eu creio que dizeis no começo do Símbolo?
A palavra Credo, eu creio quer dizer: eu tenho por absolutamente verdadeiro tudo o que nestes treze artigos se contém; e o creio mais firmemente do que se o visse com os meus olhos, porque Deus, que não pode nem enganar-Se nem enganar-nos, revelou estas verdades à Santa Igreja Católica, e por meio dEla eis revela também a nós.

Que contêm os artigos do Credo?
Os artigos do Credo contêm tudo o que de mais importante devemos crer acerca de Deus, de Jesus Cristo e da Igreja, sua Esposa.

É muito útil rezar freqüentemente o Credo?
É utilíssimo rezar freqüentemente o Credo, para imprimirmos cada vez mais no coração as verdades da Fé.

quarta-feira, 11 de Maio de 2011

ESTUDOS BIBLICOS 2


O tempo do juízo final

O juízo final como nos diz a Escritura, acontecerá após o milênio e a rebelião que vai ocontecer no final dele. S. João apresenta o reino milenar e a remoção de Satanás para não influenciar a terra em (Apocalipse 20.1-6) e, então, diz: ‘Quando terminarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão e sairá para enganar as nações que estão nos quatro cantos da terra [...] a fim de reuni-las para a batalha” (Ap 20.7,8). Após Deus derrotar decisivamente essa rebelião final (Ap 20.9,10), João nos diz que o juízo se seguirá: ‘Depois vi um grande trono branco e aquele que nele estava assentado” (v. 11).

A natureza do juízo final

  • Jesus Cristo será o juiz?

São Paulo fala de “Cristo Jesus, que há-de julgar os vivos e os mortos” (2Tm 4.1). Pedro diz que Jesus Cristo é aquele “que Deus constituiu juiz de vivos e de mortos” (At 10.42; cf. 17.3 1; Mt 25.31-33). Esse direito de agir como juiz sobre todo o universo é algo que o Pai concedeu ao Seu Filho: “o Pai... deu-lhe autoridade para julgar, porque é o Filho do homem” (Jo 5.26,27).

  • Os descrentes e Ateus serão julgados?

Está bem claro que todos os descrentes e ateus estarão perante o tribunal de Cristo para serem julgados, pois esse julgamento inclui “os mortos, grandes e pequenos (Ap 20.12), e S. Paulo fala do “dia da ira de Deus, quando se revelará o seu justo julgamento” e que “Deus ‘retribuirá a cada um conforme o seu procedimento’. ... haverá ira e indignação para os que são egoístas, que rejeitam a verdade e seguem a injustiça” (Rm 2.5,6,8).Esse juízo dos descrentes incluirá graus de punição, pois lemos que os mortos “foram julgados de acordo com o que tinham feito” (Ap 20.12,13); esse julgamento de acordo com o que as pessoas tiverem feito, portanto, deve envolver a avaliação das obras que as pessoas fizeram. Igualmente, Jesus Cristo diz: “Aquele servo que conhece a vontade de seu senhor e não prepara o que ele deseja, nem o realiza, receberá muitos açoites. Mas aquele que não a conhece e pratica coisas merecedoras de castigo, receberá poucos açoites. A quem muito foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito mais será pedido” (Lc 12.47,48). Quando Jesus diz O facto de que haverá graus de punição para os descrentes de acordo com as suas obras não significa que os descrentes venham a fazer coisas boas para merecer a aprovação de Deus ou ganhar a salvação, pois a salvação vem somente como dom gratuito para os que confiam em Cristo: ”Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus” (Jo 3.18). Para a discussão do facto de que não haverá “outra oportunidade” para as pessoas aceitarem Cristo após a morte cidades de Corazim e Betsaida: “Mas eu lhes afirmo que no dia do juízo haverá menor rigor para Tiro e Sidom do que para vocês” (Mt 11.22; cf. v. 24), ou quando diz que os escribas “serão punidos com maior rigor” (Lc 20.47), indica que haverá graus de punição no último dia.
De facto, cada acção errônea será lembrada e levada em conta na punição que se dará naquele dia, porque “ no dia do juízo, os homens haverão de dar conta de toda palavra inútil que tiverem falado” (Mt 12.36). Cada palavra dita, cada acto cometido serão trazidos à luz e receberão julgamento:
“Pois Deus trata a julgamento tudo o que foi feito, inclusive tudo o que está escondido, seja bom, seja mau” (Ec 12.14).Como esses versículos indicam, no dia do juízo os segredos do coração das pessoas serão revelados e tornados públicos. Paulo fala do dia “em que Deus julgar os segredos dos homens, mediante Jesus Cristo, conforme o declara o meu evangelho” (Rm 2.16; cf. Lc 8.17). “Não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido. O que vocês disseram nas trevas será ouvido à luz do dia, e o que vocês sussurraram aos ouvidos dentro de casa, será proclamado dos telhados” (Lc 12.2,3).

  • Os crentes serão julgados.

Escrevendo aos cristãos, S. Paulo diz: “Pois todos compareceremos diante do tribunal de Deus. ... Assim, cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus” (Rm 14.10,12). Ele também diz aos Coríntios: “Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más” (2Co 5.10; cf. Rm 2.6-11; Ap 20.12,15). Além disso, a apresentação do juízo final em Mateus 25.31-46 inclui Cristo separando as ovelhas dos bodes e recompensando os que recebem sua bênção.
É importante perceber que esse julgamento dos crentes será um julgamento para avaliar e conceder vários graus de recompensa, mas o facto de que eles enfrentarão um julgamento nunca deveria causar nos crentes qualquer temor de serem eternamente condenados. Jesus diz: “Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida” (Jo 5.24). Aqui a condenação deve ser entendida no sentido de morte e condenação eterna, já que é contrastada com o passar da morte para a vida. No dia do juízo final, mais que em outra oportunidade, é de extrema importância o facto de que “agora já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8.1) . Assim, o dia do juízo pode ser descrito como um dia em que os verdadeiros e fieis cristãos serão recompensados e os descrentes, ateus, cristãos infieis, serão punidos: “As nações se iraram; e chegou a tua ira. Chegou o tempo de julgares os mortos e de recompensares os teus servos, os profetas, os teus santos e os que temem o teu nome, tanto pequenos como grandes, e de destruir os que destroem a terra” (Ap 11.18).
Todas as palavras secretas, todos os actos dos crentes e todos os seus pecados serão revelados no último dia? Poderíamos pensar no princípio assim, porque, escrevendo aos crentes a respeito do dia do juízo, S. Paulo diz que, quando o Senhor voltar, “ele trará à luz o que está oculto nas trevas e manifestará as intenções dos corações. Nessa ocasião, cada um receberá de Deus a sua aprovação” (lCo 4.5; cf. Cl 3.25). Todavia, esse é um contexto que fala a respeito da recomendação ou louvor que vem de Deus, podendo não se referir aos pecados. E outros versículos sugerem que Deus nunca mais chamará os nossos pecados à lembrança:
“atirarás todos os nossos pecados nas profundezas do mal” (Mq 7.19); “e como o Oriente está longe do Ocidente, assim ele afasta para longe de nós as nossas transgressões” (Sl 103.12); “Sou eu, eu mesmo, aquele que apaga suas transgressões, por amor de mim, e que não se lembra mais de seus pecados” (Is 43.25); “Porque eu lhes perdoarei a maldade e não me lembrarei mais dos seus pecados” (Hb 8.12; cf. 10.17).De qualquer forma, o facto de que compareceremos perante Deus para que a nossa vida seja avaliada será um motivo para vivermos piedosamente, e S. Paulo usa-o desse modo em 2Coríntios 5.9,10: “Por isso, temos o propósito de lhe agradar, quer estejamos no corpo, quer o deixemos. Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más”. Mas essa perspectiva não deve jamais causar terror ou alarme na vida dos verdadeiros crentes, porque mesmo os pecados que serão tornados públicos naquele dia já foram perdoados, e por isso eles serão uma oportunidade para dar glória a Deus pela riqueza de sua graça.
A Escritura também ensina que haverá graus de recompensa para os crentes. S. Paulo encoraja os Coríntios a ser cuidadosos no edificar a igreja sobre o fundamento que já havia sido lançado — o próprio Jesus Cristo.
Se alguém constrói sobre esse alicerce usando ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha, sua obra será mostrada, porque o Dia a trará à luz; pois será revelada pelo fogo, que provará a qualidade da obra de cada um. Se o que alguém construiu permanecer, esse receberá recompensa. Se o que alguém construiu se queimar, esse sofrerá prejuízo; contudo, será salvo como alguém que escapa através do fogo ( lCo 3.12-15).Semelhantemente, S. Paulo diz dos cristãos: “Pois todos nós devemos comparecer perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba de acordo com as obras praticadas por meio do corpo, quer sejam boas quer sejam más” (2Co 5.10), sugerindo novamente a idéia de graus de recompensa pelo que fizemos nesta vida. Igualmente, na parábola dos denários, foi dito ao que fez render dez denários: “Muito bem, meu bom servo! ... Por ter sido confiável no pouco, governe sobre dez cidades”. Ao que fez render cinco denários, foi dito: ”Também tu, encarregua-te de cinco cidades” (Lc 19.17,19). Muitas outras passagens igualmente ensinam ou sugerem graus de recompensa para os crentes no juízo final.
Mas devemos nos precaver contra qualquer entendimento errôneo neste ponto. Embora saibamos que haverá graus de recompensa nos céus, a alegria de cada pessoa será plena e completa pela eternidade. Se perguntarmos como isso pode acontecer, quando há diferentes graus de [O ensino da Bíblia sobre os graus de recompensa no céu é mais amplo do que os cristãos normalmente percebem: Dn 12.2; Mt 6.20,21; 19.21; Lc 6.22,23; 12.18-21,32,42-48; 14.13,14; lCo 3.8; 9.18; 13.3; 15.19,29-32,58; Gl 6.9,10; Ef 6.7,8; Cl 3.23,24; lTm 6.18; Hb 10.34,35; 11.10,14-16,26,35; lPe 1.4; 2João 8; Ap 11.18; 22.12; cf. tb. Mt 5.46; 6.2-6,16-18,24; Lc 6.35.] recompensa, tal facto demonstrará que a nossa percepção de alegria é baseada na suposição de que a alegria depende do que possuímos, ou da posição ou poder que temos. Na realidade, contudo, a nossa verdadeira alegria consiste em ter prazer em Deus e em regozijar-nos na posição e no reconhecimento que ele nos deu. A tolice de pensar que somente os que foram altamente recompensados e que receberam posição elevada é que serão plenamente felizes no céu é vista quando percebemos que, não importa quão grande seja a recompensa que nos for dada, haverá sempre aqueles com recompensas maiores ou que possuem posição e autoridade maiores, incluindo Maria, os Apóstolos, os Santos, as Criaturas Celestiais, Jesus Cristo e o próprio Deus. Portanto, se a posição mais elevada fosse essencial para as pessoas serem felizes, ninguém seria mais feliz do que Deus no céu, o que é certamente uma idéia incorreta. Além disso, aqueles com recompensa e honra maiores no céu, os mais próximos do trono de Deus, teriam prazer não na posição, mas somente no privilégio de se prostrarem diante do trono de Deus para adorá-lo (v.Ap 4.10,11).
Seria moral e espiritualmente benéfico que adquiríssemos uma consciência maior desse ensino claro do NT sobre os graus de recompensa celestial. Ao invés de nos tornar competitivos uns com os outros, ele despertaria em nós o senso de ajudar e de encorajar uns aos outros para que todos pudéssemos aumentar nossa recompensa celestial, pois Deus tem capacidade infinita de trazer bênçãos a todos nós, e todos nós somos membros uns dos outros (v. lCo 12.26,27). Devemos atentar com fervor à admoestação do autor de Hebreus: “E consideremos uns aos Outros para nos incentivarmos ao amor e às boas obras. Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia” (Hb I0.24,25). Ademais, o coração sincero ansiando por recompensa celestial nos motivaria ao trabalho muito sincero para o Senhor em qualquer tarefa para a qual ele nos chamasse, seja grande seja pequena, recebendo salário ou não. Isso também nos faria desejosos da sua aprovação antes que de riqueza ou sucesso e nos motivaria a trabalhar na edificação da igreja sobre o único fundamento, Jesus Cristo (lCo 3.10-15).

  • Os anjos serão julgados.

S. Pedro diz que os anjos rebeldes foram lançados no inferno ,”a fim de serem reservados para o juízo” (2Pe 2.4) , e Judas diz que os anjos rebeldes foram guardados por Deus sob trevas “para o juízo do grande Dia” (Jd 6). Isso significa que ao menos os anjos rebeldes ou demônios também estarão sujeitos ao juízo no último dia.
A Sagrada Escritura não indica claramente se os anjos santos também estarão sob uma espécie de avaliação pelos seus serviços, mas é possível que estejam incluídos na afirmação de S. Paulo : “Vocês não sabem que havemos de julgar os anjos?’ (lCo 6.3) . É provável que isso inclua anjos santos, porque não há nenhuma indicação no contexto de que S. Paulo esteja falando dos demônios ou anjos caídos, e a palavra anjos sem qualquer qualificação adicional no Novo Testamento deve ser normalmente entendida como referência aos anjos santos. Mas o texto não é explícito o suficiente para que tenhamos certeza do que afirmamos.


Michael

terça-feira, 10 de Maio de 2011

ESTUDOS BIBLICOS 1

A realidade do Juízo Final

As Sagradas Escrituras muitas vezes afirmam o facto de que haverá um grande juízo final de crentes e não crentes. Comparecerão diante do julgamento de Cristo com os seus corpos ressuscitados e ouvirão a proclamação que Ele fará do destino eterno deles.
Muitos Sacerdotes, Bispos, Cardeais, Pastores, proclamam e negam esta verdade, rasgando páginas da Sagrada Escritura e pregando apenas o que lhes convem.
A estes apesar de Ministros Sagrados há que dizer que não são mais do que os Profectas, os Apóstolos e apesar dos seus grandes estudos teologicos não são mais do que Jesus Cristo, interpretando as Suas Palavras à sua maneira. A estes que se condenam e condenam multidões, a estes a que se deve chamar Assassinos de Almas, resta-lhes no Juizo Final, ser-lhes cortada a sua parte na Vida Eterna, pois cortaram e retiraram, riscaram, apagaram e rasgaram o que não lhes convinha.
O juízo final é vividamente apresentado na visão de João no Apocalipse:
Depois vi um grande trono branco e aquele que nele estava assentado. A terra e o céu fugiram da sua presença, e não se encontrou lugar para eles.Vi também os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e livros foram abertos. Outro livro foi aberto, o livro da vida. Os mortos foram julgados de acordo com o que tinham feito, segundo o que estava registrado nos livros. O mar entregou os mortos que nele havia, e a morte e o Hades entregaram os mortos que neles havia; e cada um foi julgado de acordo com o que tinha feito. Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. O lago de fogo é a segunda morte. Aqueles cujos nomes não foram encontrados no livro da vida foram lançados no lago de fogo (Ap 20.11-15).Muitas outras passagens ensinam-nos sobre o juízo final. O Apostolo S. Paulo diz aos gregos de Atenas: Deus ... agora ordena que todos, em todo lugar, se arrependam. Pois estabeleceu um dia em que ha-de julgar o mundo com justiça, por meio do homem que designou. E deu provas disso a todos, ressuscitando-o dentre os mortos” (At 17.30,31). Igualmente, S. Paulo fala a respeito do “dia da ira de Deus, quando se revelará o seu justo julgamento” na Carta aos Romanos 2.5. Muitas outras passagens falam claramente de um dia de juízo que virá ver Mt 10.15; 11.22,24; 12.36; 25.31-46; lCo 4.5; Hb 6.2; 2Pe 2.4; Jd 6 etc.
Esse juízo final é o climax de muitos juízos precursores nos quais Deus recompensou a rectidão e puniu a injustiça por toda a história da humanidade. Ao mesmo tempo em que trouxe bênção, graça e libertação aos que lhe foram fiéis, incluindo:

 Abel, Noé, Abraão, Isaque, Jacob, Moisés, David e os fiéis de entre o povo de Israel, ele também algumas vezes trouxe o juízo sobre os que continuaram na desobediência e na incredulidade. 
Os seus juízos incluíram:
 o Dilúvio,
a dispersão do povo na Torre de Babel,
os juízos sobre Sodoma e Gomorra
e os contínuos julgamentos ao longo de toda a história, tanto sobre os homens (Rm 1.18-32) como sobre nações e reinos (Is 13-23) que continuaram no pecado.
Além disso, na esfera espiritual invisível, ele trouxe juízo sobre os anjos que pecaram e os colocou no inferno(2Pe 2.4). Pedro recorda-nos que os juízos de Deus têm sido cumpridos periodicamente e de forma positiva, e isso deve constantemente nos lembrar que um juízo final ainda está por vir, pois “o Senhor sabe livrar os piedosos da provação e manter em castigo os ímpios para o dia do juízo, especialmente os que seguem os desejos impuros da carne e desprezam a autoridade” (2Pe 2.9,10).

Michael

Alguns Versículos do Juízo Final na Biblia

Porque Deus há de trazer a juízo toda obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau. Eclesiastes 12:14

Eu continuei olhando, até que foram postos uns tronos, e um ancião de dias se assentou; o seu vestido era branco como a neve, e o cabelo da sua cabeça como lã puríssima; o seu trono era de chamas de fogo, e as rodas dele eram fogo ardente. Daniel 7:9

Digo-vos, pois, que de toda palavra fútil que os homens disserem, hão de dar conta no dia do juízo. Mateus 12:36

porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos. Actos dos Apóstolos 17:31

no dia em que Deus há de julgar os segredos dos homens, por Cristo Jesus, segundo o meu evangelho. Romanos 2:16

Não sabeis vós que havemos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas pertencentes a esta vida? 1 Coríntios 6:3

E vi um grande trono branco e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiram a terra e o céu; e não foi achado lugar para eles. E vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono; e abriram-se uns livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida; e os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. O mar entregou os mortos que nele havia; e a morte e o hades entregaram os mortos que neles havia; e foram julgados, cada um segundo as suas obras. E a morte e o hades foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo. E todo aquele que não foi achado inscrito no livro da vida, foi lançado no lago de fogo. Apocalipse 20:11-15
O Senhor entra em juízo contra os anciãos do seu povo, e contra os seus príncipes; sois vós que consumistes a vinha; o espólio do pobre está em vossas casas. Isaías 3:14

mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em entender, e em me conhecer, que eu sou o Senhor, que faço benevolência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. Jeremias 9:24

Eu, porém, vos digo que todo aquele que se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e quem disser a seu irmão: Raca, será réu diante do sinédrio; e quem lhe disser: Tolo, será réu do fogo do inferno. Mateus 5:22
Porque com o juízo com que julgais, sereis julgados; e com a medida com que medis vos medirão a vós. Mateus 7:2